Espanhol Alemão Português ---- Português Português Português Português Português Português Português Português Notícia Mais Vendidos Familia y Educación Padres Familia Vida en Pareja Desarrollo Personal Educación Afectivo Sexual Comportamiento Social Por Edades 0 a 6 7 a 12 Adolescentes Espiritualidad Jesucristo Virgen María Oración y Vida Cristiana Liturgia y Devociones Papa Francisco Benedicto XVI Juan Pablo II San Josemaría Teología Sacerdocio Historia de la Iglesia Para Niños Adviento y Navidad Cuaresma, Semana Santa y Pascua Biografías Histórica Testimonios Religiosa y Espiritual Humanidades Historia Ensayo Filosofía Antropología Psicología Arte Ética Manuales Literatura Narrativa Contemporánea Novela Histórica Infantil y Juvenil Primeros lectores A partir de 7 años A partir de 10 años A partir de 12 años Juvenil La Fe para Niños Mundo y Sociedad Hoy Tiempo Libre Familia y Educación Espiritualidad y Teología Infantil y Juvenil Narrativa Pensamiento Revistas Catálogos Autores Suscripciones Colecciones Catequesis parroquial y familiar Con Él Cuadernos Palabra dBolsillo Documentos MC Estudios Palabra Grandes obras Hablar con Dios Hablar con Dios. Cartoné Libros Palabra Libros reportaje Palabra hoy Pelícano Testimonios Varios títulos edu.com Educación y familia Guías para educar Guías pedagógicas Hacer Familia Tiempo libre Astor Jr Astor Nova La Mochila de Astor Libros ilustrados Multimedia Paso a paso Se llamaba La Mochila de Astor. Serie negra La Mochila de Astor. Serie roja La Mochila de Astor. Serie verde Arcaduz Astor Ayer y hoy de la historia Biografías juveniles Narrativa Roman Albatros Argumentos para el siglo XXI Biblioteca Palabra Mundo y cristianismo Revista Hacer Familia Revista Mundo Cristiano Revista Palabra Revistas Palabra Hacer Familia Mundo Cristiano Libros dBolsillo Con Él Hablar con Dios Ediciones Palabra

Palabra

Francisco Fernández-Carvajal Hablar con Dios Meditação diária Meditação principal Calendário Comprar Papel Digital Subscrição Números Soltos Língua (Language) Espanhol Espanhol Alemão Alemão Português Português facebook twitter
Libros
Materias

TEMPO COMUM. TRIGÉSIMA SEGUNDA SEMANA. SEXTA-FEIRA

80. O SENTIDO CRISTÃO DA MORTE

– Não podemos viver de costas para esse momento supremo. Preparamo-nos dia a dia.

– A morte adquire um novo sentido com a Morte e Ressurreição de Cristo.

– Lições que a morte nos dá para a vida.

I. O EVANGELHO DA MISSA1 fala-nos da segunda vinda de Cristo à terra, que será inesperada. Assim como o relâmpago brilha de um extremo ao outro do céu, assim será o dia do Filho do homem. Neste discurso do Senhor, interpõem-se diversos planos de acontecimentos, e em todos eles se faz finca-pé na súbita chegada de Jesus glorioso no fim dos tempos.

Os discípulos, levados por uma curiosidade natural, perguntam onde e como terão lugar esses acontecimentos que acabam de ouvir. O Senhor responde-lhes com um provérbio certamente conhecido por eles: Onde quer que esteja o corpo, aí se juntarão as águias. Jesus quer dizer que, com a mesma rapidez com que as aves de rapina se dirigem para a presa, assim será o encontro do Filho de Deus com o mundo no fim dos tempos e com cada homem no fim dos seus dias. Porque sabeis muito bem – escreve São Paulo aos primeiros cristãos de Tessalônica – que o dia do Senhor virá como um ladrão durante a noite2. É mais um apelo à vigilância, a fim de que não vivamos de costas para esse dia definitivo – o dia do Senhor – em que finalmente veremos Deus face a face. Santo Agostinho, comentando esta passagem do Evangelho, ensina que estas coisas permanecem ocultas para que estejamos sempre preparados3.

Em alguns ambientes, não é fácil falar da morte; parece um assunto desagradável, até de mau gosto. No entanto, é o acontecimento que ilumina toda a vida, e a Igreja convida-nos a meditá-lo: precisamente para que esse momento supremo não nos encontre desprevenidos. O modo pagão de pensar e de viver de muitas pessoas – mesmo de algumas que se dizem cristãs – leva-as a tentar apagar os sinais indicadores de que caminhamos a passos largos para um fim.

E tomam essa atitude porque ignoram o verdadeiro sentido da morte. Ao invés de considerá-la como uma “amiga” ou mesmo como uma “irmã”4, encaram-na como uma catástrofe, a grande catástrofe que um dia deitará por terra os planos e aspirações em que concentraram todo o sentido da vida; portanto – pensam –, é preciso ignorá-la, como se não nos afetasse pessoalmente. Ao invés de vê-la como na realidade é – a chave da felicidade plena –, consideram-na como o fim do bem-estar que tanto custa conseguir aqui em baixo. Na sua falta de fé operativa e prática, ignoram que o homem continuará a existir, ainda que tenha de “mudar de casa”5. Como a liturgia nos recorda freqüentemente, a vida não é tirada, mas transformada6.

Para o cristão, a morte é o fim de uma curta peregrinação e a chegada à meta definitiva, para a qual se preparou dia a dia7, pondo toda a alma nas tarefas cotidianas mediante as quais e através das quais conquistará o Céu. Por isso, esse momento não chegará para ele como o ladrão na noite, porque conta serenamente com esse encontro definitivo com o seu Senhor. Sabe bem que a morte “é uma passagem e uma mudança para a eternidade, depois de percorrer este caminho temporal”8.

Contudo, “se alguma vez te intranqüilizas com o pensamento da nossa irmã a morte – porque te vês tão pouca coisa! –, anima-te e considera: que será esse Céu que nos espera, quando toda a formosura e grandeza, toda a felicidade e Amor infinitos de Deus se derramarem sobre o pobre vaso de barro que é a criatura humana, e a saciarem eternamente, sempre com a novidade de uma ventura nova?”9

II. A SAGRADA ESCRITURA ensina expressamente que Deus não fez a morte nem se alegra com a perdição dos vivos10. Antes do pecado original, não existia a morte, tal e como hoje a conhecemos, com esse sentido doloroso e difícil com que tantas vezes a temos visto, talvez de perto. A rebelião do primeiro homem trouxe consigo a perda dos dons extraordinários que Deus lhe tinha concedido ao criá-lo. E assim, agora, para chegarmos à casa do Pai, nossa morada definitiva, temos que atravessar essa porta: é a passagem deste mundo para o Pai11. A desobediência de Adão acarretou, junto com a perda da amizade com Deus, a perda do dom gratuito da imortalidade.

Mas Jesus Cristo destruiu a morte e iluminou a vida12, tirou-lhe a sua maldade essencial, o aguilhão, o veneno; e graças a Ele, adquire um novo sentido; converte-se na passagem para uma Vida nova. A vitória do Senhor transmite-se a todos os que crêem nEle e participam da sua Vida. Eu sou – afirmou o Mestre – a ressurreição e a vida; o que crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; e todo o que vive e crê em mim, não morrerá eternamente13. Ainda que a morte seja inimiga do homem na sua vida natural, em Cristo converte-se em “amiga” e “irmã”. Ainda que o homem seja derrotado por esse inimigo, acaba por ser vencedor, porque mediante a morte adquire a plenitude da Vida.

Entende-se bem que, para uma sociedade que tem como fim quase exclusivo, ou exclusivo, os bens materiais, a morte continue a ser o fracasso total, o último inimigo que acaba de um só golpe com tudo o que deu sentido ao seu viver: prazer, glória humana, ânsia desordenada de bem-estar material... Os que têm espírito pagão continuam a viver como se Cristo não tivesse realizado a Redenção, transformando completamente o sentido da dor, do fracasso e da morte.

A morte dos pecadores é péssima14, afirma a Sagrada Escritura; mas aos olhos do Senhor, a morte dos seus santos é preciosa15. Neste mesmo sentido, a Igreja já nos primeiros tempos celebrava o dia da morte dos mártires e dos santos como um dia de alegria; era o dies natalis, o dia do nascimento para uma nova Vida, para uma felicidade sem fim, o dia em que passavam a contemplar radiantes o rosto de Jesus. Bem-aventurados os mortos que morrem no Senhor, recorda-nos o Apocalipse. De hoje em diante, diz o Espírito, que descansem dos seus trabalhos, porque as suas obras os acompanham16.

Não só eles próprios serão premiados pela sua fidelidade a Cristo, mesmo nas coisas mais pequenas – até um copo de água dado por Cristo receberá a sua recompensa17 –, mas também, como ensina a Igreja, com eles permanecerão de algum modo “os valores da dignidade humana, da comunidade fraterna e da liberdade, todos esses bons frutos da natureza e do nosso trabalho [...], limpos contudo de toda a impureza, iluminados e transfigurados, quando Cristo entregar ao Pai o reino eterno e universal”18. Todas as outras coisas se perderão: voltarão à terra e ao esquecimento... As suas boas obras os acompanham.

III. A MORTE DÁ LIÇÕES para a vida. Ensina-nos a viver com o necessário, desprendidos dos bens que usamos, mas que dentro de um tempo teremos que deixar; levaremos conosco, para sempre, o mérito das nossas boas obras.

Ensina-nos também a aproveitar bem cada dia. Carpe diem19, goza do presente, diziam os antigos; e nós, com sentido cristão, podemos dar a essas palavras uma nova orientação: aproveitemos gozosamente cada dia como se fosse o único, sabendo que nunca mais se repetirá. Hoje, no momento do exame de consciência, teremos uma grande alegria ao pensarmos nas jaculatórias, nos atos de amor ao Senhor, no trato com o Anjo da Guarda, nos favores aos outros, nos pequenos serviços, nas vitórias no cumprimento do dever, talvez na paciência..., que fomos acumulando ao longo das horas e que o Senhor converteu em jóias preciosas para a eternidade. Não deixemos escapar estes dias, numerados e contados, que nos faltam para chegarmos ao fim do caminho.

A incerteza do momento do nosso encontro definitivo com Deus anima-nos a estar vigilantes, como quem aguarda a chegada do seu Senhor20, cuidando com esmero do exame de consciência, com contrição verdadeira pelas fraquezas desse dia; aproveitando bem a Confissão freqüente para limpar a alma mesmo dos pecados veniais e das faltas de amor. A lembrança da morte ajuda-nos a trabalhar com mais empenho na tarefa da santificação pessoal, vivendo com prudência; não como insensatos, mas como circunspectos, redimindo o tempo21, recuperando tantos dias e tantas oportunidades perdidas. Às vezes, pode acontecer-nos o que escreveu o clássico: “Não é que tenhamos pouco tempo, é que temo-lo perdido muito”22. Aproveitemos o que nos resta.

Devemos desejar viver muito tempo, para prestar maiores serviços a Deus, para nos apresentarmos diante do Senhor com as mãos mais cheias..., e porque amamos a vida, que é um presente de Deus. E quando chegar o nosso encontro com o Senhor, até esses últimos instantes nos deverão servir para purificarmos a nossa vida e para nos oferecermos a Deus Pai com um ato de amor. Para esse transe, Santo Inácio escreveu: “Como em toda a vida, assim também na morte, e muito mais, deve cada um [...] esforçar-se e procurar que Deus Nosso Senhor seja nela glorificado e servido e os próximos edificados, ao menos com o exemplo da sua paciência e fortaleza, com fé viva, esperança e amor dos bens eternos...”23 O último instante aqui na terra deve ser também para a glória de Deus.

Que alegria experimentaremos então por todo o esforço que tivermos posto em dar a vida pelo Senhor!: o trabalho oferecido, as pessoas que fomos procurando aproximar do sacramento da Confissão, os mil pequenos pormenores de serviço prestados aos que trabalhavam conosco, a alegria que transmitimos à família...

Depois de termos deixado aqui frutos que perduram até à vida eterna, partiremos. E poderemos dizer com o poeta:

O meu amor deixou a margem
e na corrente canta.
Não voltou à ribeira,
pois o seu amor era a água24.

A água viva que é Jesus Cristo.

(1) Lc 17, 26-37; (2) 1 Tess 5, 2; (3) cfr. Santo Agostinho, Comentário ao Salmo 120, 3; (4) cfr. Bem-aventurado Josemaría Escrivá, Caminho, ns. 735 e 739; (5) cfr. ibid., n. 744; (6) Missal Romano, Prefácio de defuntos; (7) cfr. Candido Pozo, Teología del más allá, BAC, Madrid, 1980, págs. 468 e segs.; (8) São Cipriano, Tratado sobre a mortalidade, 22; (9) Bem-aventurado Josemaría Escrivá, Sulco, n. 891; (10) Sab 1, 13; (11) Jo 13, 1; (12) 2 Tim 1, 10; (13) Jo 11, 25; (14) Sl 33, 22; (15) Sl 115, 15; (16) Apoc 14, 13; (17) Mt 10, 42; (18) Concílio Vaticano II, Constituição Gaudium et spes, n. 39; (19) Horácio, Odes, 1, 11, 7; (20) cfr. Lc 12, 35-42; (21) Ef 5, 15-16; (22) Sêneca, De brevitate vitae, 1, 3; (23) Santo Inácio de Loyola, Constituições S. I., c. 4, n. 1; (24) B. Llorens, Secreta fuente, Rialp, Madrid, 1948, pág. 86.

* Edições Palavra (detentor dos direitos de autor) nos autorizou a difundir a meditação diária para usuários específicos para seu uso pessoal, e não quero a sua distribuição por fotocópia ou outras formas de distribuição.