Espanhol Alemão Português ---- Português Português Português Português Português Português Português Português Notícia Mais Vendidos Familia y Educación Padres Familia Vida en Pareja Desarrollo Personal Educación Afectivo Sexual Comportamiento Social Por Edades 0 a 6 7 a 12 Adolescentes Espiritualidad Jesucristo Virgen María Oración y Vida Cristiana Liturgia y Devociones Papa Francisco Benedicto XVI Juan Pablo II San Josemaría Teología Sacerdocio Historia de la Iglesia Para Niños Adviento y Navidad Cuaresma, Semana Santa y Pascua Biografías Histórica Testimonios Religiosa y Espiritual Humanidades Historia Ensayo Filosofía Antropología Psicología Arte Ética Manuales Literatura Narrativa Contemporánea Novela Histórica Infantil y Juvenil Primeros lectores A partir de 7 años A partir de 10 años A partir de 12 años Juvenil La Fe para Niños Mundo y Sociedad Hoy Tiempo Libre Familia y Educación Espiritualidad y Teología Infantil y Juvenil Narrativa Pensamiento Revistas Catálogos Autores Suscripciones Colecciones Catequesis parroquial y familiar Con Él Cuadernos Palabra dBolsillo Documentos MC Estudios Palabra Grandes obras Hablar con Dios Hablar con Dios. Cartoné Libros Palabra Libros reportaje Palabra hoy Pelícano Testimonios Varios títulos edu.com Educación y familia Guías para educar Guías pedagógicas Hacer Familia Tiempo libre Astor Jr Astor Nova La Mochila de Astor Libros ilustrados Multimedia Paso a paso Se llamaba La Mochila de Astor. Serie negra La Mochila de Astor. Serie roja La Mochila de Astor. Serie verde Arcaduz Astor Ayer y hoy de la historia Biografías juveniles Narrativa Roman Albatros Argumentos para el siglo XXI Biblioteca Palabra Mundo y cristianismo Revista Hacer Familia Revista Mundo Cristiano Revista Palabra Revistas Palabra Hacer Familia Mundo Cristiano Libros dBolsillo Con Él Hablar con Dios Ediciones Palabra

Palabra

Francisco Fernández-Carvajal Hablar con Dios Meditação diária Meditação principal Calendário Comprar Papel Digital Subscrição Números Soltos Língua (Language) Espanhol Espanhol Alemão Alemão Português Português facebook twitter
Libros
Materias

TEMPO COMUM. SEGUNDA SEMANA. QUARTA-FEIRA

12. VIVER A FÉ NO DIA A DIA

– A fé é para ser vivida e deve influir nos pequenos acontecimentos do dia.

– Fé e “sentido sobrenatural”.

– Fé e virtudes humanas.

I. JESUS ENTROU NUMA SINAGOGA e ali encontrou um homem que tinha uma mão seca, paralisada. São Marcos diz que todos o observavam para ver se curava em dia de sábado1. O Senhor não se esconde nem dissimula as suas intenções, antes pelo contrário, pede ao homem que se coloque no meio, para que todos o possam ver bem. E diz: É lícito em dia de sábado fazer o bem ou fazer o mal, salvar uma vida ou perdê-la? E eles permaneceram calados. Então Jesus, indignado com tanta hipocrisia, olhou-os irado e, ao mesmo tempo, triste pela cegueira dos seus corações. Todos notaram esse olhar de Jesus cheio de indignação perante a dureza daquelas almas. E disse ao homem: Estende a tua mão. Ele estendeu-a e ficou curado.

Aquele doente, no centro da vasta roda dos circunstantes, enche-se de confiança em Jesus e manifesta a sua fé pela prontidão com que obedece ao Senhor e faz aquilo que sabia muito bem que não podia fazer: estender a mão. A sua confiança no Senhor, que o levou a prescindir da sua experiência pessoal, fez o milagre. Tudo é possível com Jesus. A fé permite-nos alcançar metas que sempre tínhamos julgado inatingíveis, resolver velhos problemas pessoais ou questões relacionadas com a tarefa apostólica que pareciam insolúveis, eliminar defeitos que estavam arraigados.

A vida deste homem tomou certamente um novo rumo depois do pequeno esforço exigido por Cristo. É o que o Senhor nos pede também nos assuntos mais corriqueiros da vida diária. Devemos considerar hoje “como o cristão, na sua existência habitual e corrente, nos pormenores mais simples, nas circunstâncias normais da sua jornada de trabalho, põe em prática a fé, a esperança e a caridade, porque é nisso que reside a essência da conduta de uma alma que conta com o auxílio divino”2. E necessitamos dessa ajuda do Senhor para sair da nossa incapacidade.

A fé é para ser vivida, e deve informar as pequenas e grandes decisões, como também deve manifestar-se habitualmente no modo de encarar os deveres de cada dia. Não basta assentir às grandes verdades do Credo, e talvez até ter uma boa formação; é necessário, além disso, viver essas verdades, praticá-las, de modo a chegar a ter uma “vida de fé” que seja ao mesmo tempo manifestação e fruto daquilo que se crê.

Deus pede-nos que o sirvamos com a vida, com as obras, com todas as forças do corpo e da alma. A fé é um valor sobrenatural que se refere à vida, à vida de todos os dias, e a existência cristã nada mais é que um desdobramento da fé, um viver de acordo com aquilo que se crê3, com aquilo que se sabe ser o querer de Deus para a vida. Temos uma “vida de fé”? Uma fé que influa no comportamento e nas decisões que tomamos?

II. O EXERCÍCIO DA VIRTUDE da fé na vida cotidiana traduz-se naquilo que em geral se denomina “sentido sobrenatural”. Consiste em ver as coisas, mesmo as mais corriqueiras, mesmo as que parecem intranscendentes, em função do plano de Deus para cada criatura, orientado para a sua salvação e para a de muitos outros; é um acostumar-se “a andar como que olhando para Deus pelo canto do olho nas tarefas diárias, para ver se a vontade divina é realmente aquela, se é esse o modo como Ele quer que façamos as coisas; é habituar-se a descobrir Deus através das criaturas, adivinhá-lo por trás daquilo a que o mundo chama acaso, perceber as suas pegadas por toda a parte”4.

A vida cristã, a santidade, não é um verniz externo que recobre o cristão, deixando intocado aquilo que é propriamente humano. As virtudes sobrenaturais influem no comportamento do cristão e fazem dele um homem honrado, exemplar no seu trabalho e na sua família, extremamente sensível ao sentido da honra e da justiça, superior ao comum dos mortais por um estilo de conduta em que se destacam a lealdade, a veracidade, a rijeza, a coragem, a alegria... Estai atentos a tudo o que há de justo, de puro, de amável, de louvável5, recordava São Paulo aos primeiros cristãos de Filipos.

A vida de fé, portanto, leva o cristão a ser um homem com virtudes humanas, porque torna realidade os critérios da fé na sua atuação normal. Leva-o a realizar um ato de fé, não só ao divisar as torres de uma igreja, mas também perante um problema do trabalho ou da família, à hora de uma contrariedade, em face da dor ou da doença, no momento em que recebe uma boa notícia ou quando resolve prosseguir por amor um trabalho que estava a ponto de abandonar por cansaço. Leva-o a viver a fé quando quereria desistir de uma tarefa apostólica por não ver os frutos, talvez porque ainda esteja a dar os primeiros passos em relação a determinada alma, e “a relha que rotura e abre o sulco não vê a semente nem o fruto”6.

Num cristão, a fé está, pois, em contínuo exercício, tal como a esperança e a caridade. Perante problemas e obstáculos que talvez já sejam velhos, esse cristão ouve o Senhor que lhe diz: Estende a tua mão... Examinemo-nos hoje com que freqüência tornamos realidade o ideal cristão que dá vida e um sentido novo a todas as situações da vida, a todas as coisas humanas que realizamos, ampliando-as e tornando-as sobrenaturalmente fecundas.

III. ENTRE OUTRAS CONSEQÜÊNCIAS, a fé leva-nos a imitar Jesus Cristo, que, além de “perfeito Deus”, foi “homem perfeito”7. As virtudes humanas são próprias do homem enquanto homem e, por isso, Jesus Cristo, perfeito homem, viveu-as plenamente. Até os seus inimigos se assombravam com a força humana da sua figura: Mestre – dizem-lhe em certa ocasião –,sabemos que és veraz, e que não tens respeitos humanos, e que ensinas o caminho de Deus com autoridade...8 “A primeira coisa que nos chama a atenção ao estudarmos a fisionomia humana de Cristo é a sua clarividência viril na ação, a sua impressionante lealdade, a sua áspera sinceridade, ou seja, o caráter heróico da sua personalidade. Era isso o que antes de mais nada atraía os seus discípulos”9.

O Senhor considera tão importante a perfeição das virtudes humanas que diz aos seus discípulos: Se não entendeis as coisas da terra, como entendereis as celestiais?10 Se não se vive a rijeza humana perante uma dificuldade, perante o frio ou o calor ou perante uma pequena doença, onde se poderá assentar a virtude cardeal da fortaleza? Como poderá ser responsável e prudente um estudante que não se preocupa com o seu estudo? Ou como poderá chegar a viver a caridade quem descuida a cordialidade, a afabilidade ou os detalhes de educação? Ainda que a graça divina possa transformar por inteiro uma pessoa – e a Sagrada Escritura e a vida da Igreja oferecem-nos exemplos disso –, o normal é que o Senhor conte com a colaboração das virtudes humanas.

A vida cristã revela-se através da atuação humana, que é dignificada e elevada ao plano sobrenatural. Por sua vez, os aspectos humanos da personalidade constituem a base de sustentação das virtudes sobrenaturais. Talvez tenhamos encontrado ao longo da nossa vida “tantos que se dizem cristãos – por terem sido batizados e por receberem outros Sacramentos –, mas que se mostram desleais, mentirosos, insinceros, soberbos... E caem de repente. Parecem estrelas que brilham um instante no céu e, de súbito, precipitam-se irremediavelmente”11. Faltou-lhes a base humana e não puderam manter-se de pé.

Deus procura mães fortes que testemunhem a sua fé através da sua maternidade e da sua alegria; e homens de negócios justos; e médicos que não descurem a sua formação profissional por saberem reservar umas horas para o estudo, que atendam os pacientes com compreensão, tal como eles gostariam de ser tratados nessas mesmas circunstâncias: com eficiência e amabilidade; e estudantes com prestígio que se interessem pelos seus colegas de faculdade; e camponeses, artesãos, operários das fábricas e da construção civil... Deus quer homens e mulheres verdadeiros, que expressem na discreta realidade da sua vida o grande ideal que encontraram.

São José é modelo do varão justo12 que viveu da fé em todas as circunstâncias da sua vida. Peçamos-lhe que nos ajude a ser, no nosso ambiente e nas nossas circunstâncias, aquilo que Cristo espera de cada um de nós: um exemplo vivo para o mundo que nos rodeia.

(1) Mc 3, 1-6; (2) Josemaría Escrivá, É Cristo que passa, n. 169; (3) cfr. P. Rodriguez,Fe y vida de fe, EUNSA, Pamplona, 1974, pág. 172; (4) F. Suárez, El sacerdote y su ministerio, Rialp, Madrid, 1969, pág. 194; (5) Fil 4, 8; (6) Josemaría Escrivá, Sulco, n. 215; (7) Símbolo Quicumque; (8) Mt 22, 16; (9) K. Adam, Jesus Cristo, Quadrante, São Paulo, pág. 13; (10) Jo 3, 5; (11) Josemaría Escrivá, Amigos de Deus, n. 75; (12) Mt 1, 19.

* Edições Palavra (detentor dos direitos de autor) nos autorizou a difundir a meditação diária para usuários específicos para seu uso pessoal, e não quero a sua distribuição por fotocópia ou outras formas de distribuição.