Espanhol Alemão Português ---- Português Português Português Português Português Português Português Português Notícia Mais Vendidos Familia y Educación Padres Familia Vida en Pareja Desarrollo Personal Educación Afectivo Sexual Comportamiento Social Por Edades 0 a 6 7 a 12 Adolescentes Espiritualidad Jesucristo Virgen María San José Oración y Vida Cristiana Liturgia y Devociones Papa Francisco Benedicto XVI Juan Pablo II San Josemaría Teología Sacerdocio Historia de la Iglesia Para Niños Adviento y Navidad Cuaresma, Semana Santa y Pascua Biografías Histórica Testimonios Religiosa y Espiritual Humanidades Historia Ensayo Filosofía Antropología Psicología Arte Ética Manuales Literatura Narrativa Contemporánea Novela Histórica Infantil y Juvenil Primeros lectores A partir de 7 años A partir de 10 años A partir de 12 años Juvenil La Fe para Niños Mundo y Sociedad Hoy Tiempo Libre Familia y Educación Espiritualidad y Teología Infantil y Juvenil Narrativa Pensamiento Revistas Catálogos Autores Suscripciones Colecciones Buscando entender Catequesis parroquial y familiar Con Él Cuadernos Palabra dBolsillo Documentos MC Estudios Palabra Grandes obras Hablar con Dios Hablar con Dios. Cartoné Libros Palabra Libros reportaje Mundo y cristianismo Palabra hoy Pelícano Testimonios Varios títulos edu.com Educación y familia Guías para educar Guías pedagógicas Hacer Familia Tiempo libre Astor Jr Astor Nova La Mochila de Astor Libros ilustrados Multimedia Paso a paso Se llamaba La Mochila de Astor. Serie negra La Mochila de Astor. Serie roja La Mochila de Astor. Serie verde Arcaduz Astor Biografías juveniles Novel Roman Albatros Argumentos para el siglo XXI Ayer y hoy de la historia Biblioteca Palabra Revista Hacer Familia Revista Mundo Cristiano Revistas Hacer Familia Mundo Cristiano Libros dBolsillo Con Él Hablar con Dios Ediciones Palabra

Palabra

Francisco Fernández-Carvajal Hablar con Dios Meditação diária Meditação principal Calendário Comprar Papel Digital Subscrição Números Soltos Língua (Language) Espanhol Espanhol Alemão Alemão Português Português facebook twitter
Libros
Familias

TEMPO COMUM. DÉCIMO SEGUNDO DOMINGO. CICLO B

98. SERENIDADE PERANTE AS DIFICULDADES

– A tempestade no lago. O Senhor nunca nos deixará sozinhos no meio das dificuldades.

– Se somos de verdade apóstolos no meio do mundo, devemos contar com as incompreensões. O discípulo não é mais do que o mestre.

– Atitude perante as dificuldades.

I. EM DUAS OCASIÕES, conforme lemos no Evangelho, a tempestade surpreendeu os Apóstolos no lago de Genesaré, enquanto navegavam em direção à margem oposta por indicação do Senhor. No Evangelho da Missa deste domingo1, São Marcos narra que Jesus estava com eles na barca e aproveitou esses momentos para descansar, depois de um dia particularmente intenso de pregação. Recostou-se na popa sobre um cabeçal, provavelmente um saquinho de couro recheado de lã, simples e grosseiro, que essas barcas levavam para descanso dos marinheiros. Como os anjos do Céu contemplariam o seu Rei e Senhor com o corpo apoiado sobre a dura madeira, restaurando as forças! Aquele que governa o Universo estava esgotado de cansaço!

Entretanto, os discípulos, vários deles homens do mar, pressentiram a tempestade, que desabou muito rapidamente e com grande violência: As ondas lançavam-se sobre a barca, de sorte que estava prestes a inundar-se. Enfrentaram a situação, mas o mar embravecia-se mais e mais, e o naufrágio parecia iminente. Então, como último recurso, recorreram a Jesus. Acordaram-no com um grito de angústia: Mestre, olha que perecemos!

E o Senhor teve que intervir. E Ele, despertando, increpou os ventos e disse ao mar: Cala-te, emudece. E acalmou-se o vento, e fez-se completa calmaria. E a paz chegou também ao coração daqueles homens assustados.

Por vezes, levanta-se uma grande tempestade à nossa volta ou dentro de nós. E a nossa pobre barca parece não poder resistir mais. Pode dar-nos a impressão de que Deus permanece em silêncio, e as ondas precipitam-se sobre nós: fraquezas pessoais, dificuldades profissionais ou econômicas, doenças, problemas dos filhos ou dos pais, calúnias, ambiente adverso, infâmias...; mas “se tiveres presença de Deus, por cima da tempestade que ensurdece, brilhará sempre o sol no teu olhar; e por baixo das ondas tumultuosas e devastadoras, reinarão na tua alma a calma e a serenidade”2.

O Senhor nunca nos deixará sós. Devemos aproximar-nos dEle e dizer-lhe a todo o momento, com a confiança de quem o tomou por Mestre, de quem quer segui-lo sem nenhuma condição: Senhor, não me largues! E passaremos as tribulações junto dEle, e as tempestades deixarão de inquietar-nos.

II. JESUS PÔS-SE EM PÉ, increpou o vento e disse ao lago: Cala-te, emudece! Foi um milagre impressionante, que ficaria gravado para sempre na alma dos Apóstolos; eles jamais esqueceriam a visão de um mar absolutamente calmo, submisso à voz de Jesus, depois daquelas grandes ondas. Decorridos muitos anos, quando tiveram que enfrentar todas as provas que o Senhor lhes anunciara, a evocação desse episódio deve ter-lhes devolvido muitas vezes, na sua oração pessoal, a serenidade ameaçada.

Certa vez, em que iam a caminho de Jerusalém, Jesus disse-lhes que estava prestes a cumprir-se o que os Profetas haviam vaticinado a respeito do Filho do homem: Será entregue aos gentios, escarnecido, insultado e cuspido; e depois de o açoitarem, tirar-lhe-ão a vida, e ao terceiro dia ressuscitará3. Ao mesmo tempo, preveniu-lhes que eles também passariam por momentos duros de perseguição e de calúnia, porque não é o discípulo mais do que o mestre, nem o servo mais do que o seu amo. Se ao amo da casa chamaram Belzebu, quanto mais aos seus domésticos4.

Jesus quis persuadir aqueles primeiros de que entre Ele e a sua doutrina e o mundo como reino do pecado não havia possibilidade de entendimento5; recordou-lhes que não deviam admirar-se de serem tratados assim: Se o mundo vos odeia, sabei que antes do que a vós me odiou a mim6.

E por isso, explica São Gregório, “a hostilidade dos perversos soa como louvor para a nossa vida, porque demonstra que temos ao menos um pouco de retidão por sermos uma presença incômoda para os que não amam a Deus: ninguém pode ser grato a Deus e aos inimigos de Deus ao mesmo tempo”7. Por conseguinte, se soubermos ser fiéis, haverá ventos, ondas e tempestades, mas Jesus voltará a dizer ao lago embravecido: Cala-te, emudece!

Nos começos da Igreja, os Apóstolos não demoraram a experimentar, juntamente com frutos muito abundantes, as ameaças, as injúrias, a perseguição8. Mas não se importaram com o ambiente, favorável ou adverso, mas sim de que Cristo fosse conhecido por todos e os frutos da Redenção chegassem até o último recanto da terra. A pregação da doutrina do Senhor, que do ponto de vista humano era escândalo para uns e loucura para outros9, foi capaz de penetrar em todos os ambientes, transformando as almas e os costumes.

De então para cá, mudaram muitas daquelas circunstâncias que os Apóstolos enfrentaram, mas outras continuam a ser as mesmas, e ainda piores; o materialismo, a ânsia desmedida de comodidade e de bem-estar, a sensualidade, a ignorância, voltam a ser vento impetuoso e forte ressaca em muitos ambientes. E a isso soma-se a tentação de adaptar a doutrina de Cristo aos tempos, com graves deformações da essência do Evangelho.

Se quisermos ser apóstolos no meio do mundo, deveremos contar com alguns que não quererão entender-nos – às vezes, na nossa própria casa ou entre amigos de longa data –, e teremos de ganhar maior firmeza de ânimo, porque ir contra a corrente não é uma atitude cômoda. Teremos que trabalhar com decisão, com serenidade, sem nos importarmos com a reação daqueles que – em não poucos aspectos – se identificaram com os costumes do novo paganismo e por isso estão praticamente incapacitados para entender um sentido transcendente e sobrenatural da vida.

Com a serenidade e a fortaleza que nascem do trato íntimo com o Senhor, seremos rocha firme para muitos. Em nenhum momento podemos esquecer que, particularmente nos nossos dias, “o Senhor necessita de almas fortes e audazes, que não pactuem com a mediocridade e penetrem com passo firme em todos os ambientes”10: nos grêmios profissionais, nos claustros universitários, nos sindicatos, numa conversa informal.

Como exemplo concreto, é de especial importância a influência das famílias na vida social e pública. Elas próprias devem ser “as primeiras a procurar que as leis não apenas não ofendam, mas sustentem e defendam positivamente os direitos e deveres da família”, promovendo assim uma verdadeira “política familiar”11. Não podemos permanecer inativos, enquanto os inimigos de Deus querem apagar todo o rasto que assinale o destino eterno do homem.

III. “«AS TRÊS CONCUPISCÊNCIAS (cfr. 1 Jo 2, 16) são como três forças gigantescas que desencadearam um enorme redemoinho de luxúria, de autocomplacência orgulhosa da criatura nas suas próprias forças e de ânsia de riquezas» (Mons. Escrivá, Carta, 14-II-1974, n. 10). [...] E vemos, sem pessimismos nem encolhimentos, que [...] essas forças alcançaram um desenvolvimento sem precedentes e uma agressividade monstruosa, a tal ponto que «uma civilização inteira cambaleia, impotente e sem recursos morais» (ib.)”12. Perante essa situação, não é lícito permanecermos imóveis. O amor de Cristo nos urge..., diz-nos São Paulo na segunda Leitura da Missa13. A caridade, a extrema necessidade de tantas criaturas, é o que nos insta a um incansável trabalho apostólico em todos os ambientes, cada um no seu, ainda que deparemos com incompreensões e mal-entendidos provenientes de pessoas que não querem ou não podem entender-nos.

“Caminha [...] in nomine Domini, com alegria e passo firme no nome do Senhor. Sem pessimismos! Se surgirem dificuldades, mais abundante será a graça que nos chega de Deus; se surgirem mais dificuldades, mais eficaz será a graça de Deus que nos desce do Céu; se houver muitas dificuldades, haverá muita graça de Deus. A ajuda divina é proporcional aos obstáculos que o mundo e o demônio levantam ao trabalho apostólico. Por isso, até me atreveria a afirmar que convém que haja dificuldades, porque assim teremos mais ajuda de Deus: Onde abundou o pecado, superabundou a graça (Rom 5, 20)”14.

Aproveitaremos essas ocasiões para purificar a intenção, para estar mais unidos ao Mestre, para nos fortalecermos na fé. A nossa atitude há de ser a de perdoar sempre e manter a serenidade, pois o Senhor está com cada um de nós. “Cristão, na tua nave dorme Cristo – recorda-nos Santo Agostinho –, desperta-o, que Ele admoestará a tempestade e far-se-á a calma”15. Tudo é para nosso proveito e para o bem das almas. Por isso, basta-nos estar na companhia do Senhor para nos sentirmos seguros. A inquietação, o medo e a covardia nascem quando a nossa oração murcha. Deus sabe bem tudo o que se passa conosco. E se for necessário, admoestará os ventos e o mar, e far-se-á uma grande bonança. E também nós ficaremos maravilhados, como os Apóstolos.

A Santíssima Virgem não nos abandona em nenhum momento: “Se se levantarem os ventos das tentações – diz São Bernardo –, olha para a estrela, chama por Maria [...]. Não te extraviarás se a segues, não desesperarás se lhe rogas, não te perderás se nela pensas. Se ela te sustenta, não cairás; se te protege, nada terás a temer; se te guia, não te fatigarás; se te ampara, chegarás ao porto”16.

(1) Mc 4, 35-40; (2) Josemaría Escrivá, Forja, n. 343; (3) Lc 18, 31-33; (4) Mt 10, 24; (5) cfr. Sagrada Bíblia, Santos Evangelhos, EUNSA, nota a Jo 15, 18-19; (6) Jo 15, 18; (7) São Gregório Magno, in Ezechielem homiliae, 9; (8) cfr. At 5, 41-42; (9) cfr. 1 Cor 1, 23; (10) Josemaría Escrivá, Sulco, n. 416; (11) João Paulo II, Encíclica Familiaris consortio, n. 44; (12) A. del Portillo, Carta, 25-XII-1985, n. 4; (13) 2 Cor 5, 14-17; (14) A. del Portillo, Carta, 31-V-1987, n. 22; (15) Santo Agostinho, Sermão 361, 7; (16) São Bernardo, Homilias sobre a Virgem Maria, 2.

* Edições Palavra (detentor dos direitos de autor) nos autorizou a difundir a meditação diária para usuários específicos para seu uso pessoal, e não quero a sua distribuição por fotocópia ou outras formas de distribuição.